nossa sra. rogai por nós ..

nossa sra. rogai  por nós ..

sexta-feira, 8 de julho de 2011

troca de opiniões ..

como todos vocês já sabem , eu sou uma pessoa de opiniões muito convictas , e defendo sempre com unhas e dentes aquilo em que acredito ..
ontem eu e o grupo do costume estava-mos a preparar a apresentação do nosso movimento há comunidade ,, juntou-se a nós um colega que vai ser padre [pelo menos está a estudar para isso].
por casualidade passou uma rapariga que estava a estudar para freira , e eu perguntei ,
«então , a xxx já é freira ?''
sim já ,, respondeu-me ele ..
e não usa o habito [pergunto eu ] ..
não , não usa , e não é obrigatório usar , disse ele , [coisa que eu desconhecia ].
sim pode não ser obrigatório mas devia ser , [digo eu ]..
e prontos lá aqueceu a conversa , eu defendia que todos os padres e freiras deviam usar algo que
mostra-se o que são , 1-º porque evitava ocasiões perigosas o habito traz outro respeito .
2-º nem que seja por orgulho naquilo que faz e naquele em quem acredita ..

explico-lhe eu « por ex. eu sou casada , uso a aliança , primeiro quando olho para ela lembro-me do compromisso que fiz , e 2-º porque mostra aos outros que tou comprometida nessa relação , se eu não usa-se , se calhar é porque tava a esconder algo ´´ . [nem todos os casos].
eu não digo que aviam de usar sempre o hábito e o cabeção , não ,, até porque não é o hábito que faz o monge ,, mas acho sim que deviam usar algo que mostrasse aquilo que são , tal como muitos usam uma cruz na lapela do casaco ou no caso das freiras aquela cruz em ponto grande ao peito.

foi a vez dele repostar , ´´não tem nada a ver , o que faz o respeito é a pessoa em si e as suas atitudes ´.
sim continuo eu ,concordo mas vamos fazer um supor , vai uma freira na rua vestida normalmente , ouve uns piropos , se tivesse o habito não os ouvia , é uma questão de se preservarem ....
responde ele ´´há se calhar ouvia na mesma com o hábito [não me credito nisso mas enfim].
continua ele , ´´por ex. sem querer o padre diz algo que não devia , se não tiver nada que o identifique ninguém sabe que é padre , se tiver toda a gente diz ,, ó viste o que o padre disse ..
sim continuo eu ,, mas o padre tem que se precaver e saber o que diz e se ouve-se esse caso o padre é humano tal como nós erra , até era bom para as pessoa verem isso mesmo ..

conclusão a conversa durou ,, muito avia aqui a dizer mas
cada um com o seu ponto de vista , eu com a minha opinião ele com a dele ,, o que é certo é que foi bom pensar e falar um pouco sobre um assunto tão controverso .


12 comentários:

  1. Sou da mesma opinião que a Teresinha, acho que os padres e freiras deviam usar algo que os identificasse, ou será que têm vergonha de se assumirem perante os outros?
    Participei há pouco tempo em encontros do renovamento carismático e houve um rapaz que me impressionou e pedi a Deus que ele conhecesse a minha filha e se apaixonassem, achei que esse rapaz a compreenderia e aceitaria pois ela é muito ligada às questões da Igreja, pertence a vários movimentos e os namorados vêm e vão-se. Assim que vi esse rapaz, bonito e tão ligado à igreja, com uma voz magnifica que a todos encantava, fiz esse pedido a Deus, intensamente... e depois descobri que ele é seminarista! Imagine como fiquei! Pedi perdão a Deus por lhe querer "roubar" um discípulo, mas se os seminaristas se habituassem desde logo a usar uma cruzinha na lapela ou outro sinal da sua vocação evitavam-se muitas situações embaraçosas.
    Por sorte eu não tinha falado a ninguém deste meu pedido, foi uma coisa entre mim e Deus...

    ResponderEliminar
  2. Teresinha
    a primeira coisa que me dá vontade de dizer é: que saudades que eu tinha das tuas postagens.eheh

    Passando ao comentário, isto daria "pano para mangas" mas gosto de ver os Padres e as freiras identificados, no entanto, reconheço que os sinais dos tempos vão dando azo a modificações nos hábitos e tradições...

    Mas que muito haveria para dizer...ai havia, havia...

    Um abracinho de saudades e uma beijoca

    ResponderEliminar
  3. Teresa, mas é muito bom vc voltar e eu estou aqui a me esborrachar de tanto que eu já ri da ingenuidade e pureza de Felipa. KKKKKK! Como foi bom vir até aqui!. Obrigada pela visita lá na minha casa e lhe digo, ontem engomando uma toalinha de linho bordada por mim, quando menina, lembrei-me que era um retalho da batina do padre da minha infância. Minha mãe costurava as batinas brancas de linho para ele usar no verão. Os padres devem usar asua indumentária, sim!!! Bjbjbj!!!

    ResponderEliminar
  4. Amiga Teresinha,
    Que bom que voltou e quero agradecer-lhe as palavras tão bonitas que deixou no meu cantinho.
    Pois este assunto é mesmo controverso...Eu já não sou nova eh, eh e era criança e já reparava que o sacerdote que foi colocado na minha aldeia embora usasse batina de vez em quando, já usava só cabeção e roupa normal a maior parte das vezes.
    Isto há muitos anos.
    Agora devo confessar que onde resido (arredores de Lisboa) vejo sacerdotes vestidos com roupa dita normal, c/ e sem cabeção, com e s/ a cruz na lapela.
    Penso que não será obrigatório usar os distintivos e com o decorrer dos tempos se calhar vão caindo em desuso.
    Pessoalmente gosto de os ver vestidos a preceito por motivos vários, mas não será por este motivo que deixarão de ser ou não melhores padres.
    Beijinhos, Teresinha.
    Tenha um feliz fim de semana junto dos seus pequeninos.
    Ailime

    ResponderEliminar
  5. Muito bom esse post, o que devemos saber fazer é respeitar as diferenças, diferentes mas unidos em Cristo Jesus.

    ResponderEliminar
  6. Teresinha
    Que lindo debate nos trazes, e útil.
    Bem vamos ao assunto...
    Com batina ou sem batina o que conta é a motivação do padre e da freira

    Motivação

    O que tem dentro do seu coração
    Quem mostra ela ou ele que é pelas suas obras e a sua

    Acção.

    A árvore reconhece-se pelos frutos que dá.
    Muitas vezes os diospireiros não têm nenhuma rama e estão cheinhos de frutos.
    Outras vezes lá no meu quintal as minhas cerejeiras estão cheinhas de folhas viçosas e nem uma cereja.
    É de desesperar não achas? Ás vezes tão bem enfeitados e nada de frutos outras vezes disfarçados.
    Conheci um padre que andava com os mais desmunidos, bebados drogados, e andava vestido como eles ele fez um trabalho maravilhoso.
    Não estou a defender ninguém simplesmente faço um apelo não á imagem mas ás acções sabendo que a imagem tb se deve preservar.
    Obrigada amiguinha pelo prazer que tive em estar por aqui.
    Beijinhos da Utilia

    ResponderEliminar
  7. Olá Teresita;


    Feliz por ter-te de volta.

    Concordo com a amiga Utilia... se bem que pessoalmente, prefiro vê-los "assumidos".

    Sabes, por vezes o cabeção e/ou hábito são uma imagem de "perfeição", de "zelo", de "santidade" e afasta por si só os que andam em caminhos transviados.

    Rezemos para que Sacerdotes e Religiosas, sejam o Rosto de Cristo e veiculo de salvação em Cristo para todos nós!

    Jokas

    ResponderEliminar
  8. Tê!

    É certo que o hábito não faz o monge,mas um sacerdote com cabeçalho impõe outro respeito.Quiçá,evitaria muitas ocasiões de pecado.
    É como tu dizes: se os casados usam aliança,que é sinal de compromisso,de fidelidade,etc,porque não hão-de os padres usar o cabeção?!Não usa um general porventura a sua farda com brio e até com saudável orgulho?!Quanto mais um padre,que é um instrumento do Senhor e age in personna Christi?!
    Pode cheirar a mofo esta ideia de querer ver os padres e religiosos com hábito ou cabeção,mas não são eles Um Sinal uma Presença no meio de nós?!
    Um militar usa farda,um médico usa bata,uma cozinheira usa avental,porque não hão-de os Consagrados,que concerteza o fizeram livremente,usar o traje que lhe é próprio?!Têm vergonha? É para não dar nas vistas ou não afugentar algumas pessoas?!Penso que isso é treta.Querem ser padres em certas ocasiões,mas também gostam de ser muito mundanos quando lhes apetece.
    Se são Ungidos,Consagrados,que assumam e que sejam coerentes.
    Podem argumentar dizendo que Jesus se vestia como qualquer pessoa da sua terra e da sua época,mas Ele É o Senhor.Os padres são Seus representantes.
    Boa achega,Teresinha!
    Bjinhosss miguita

    ResponderEliminar
  9. Amiga Teresa,

    bom te ver de volta e as crianças?

    Fiquei feliz em te encontrar no Nova Civilização. Obrigada!

    Esse assunto dá muito pano para manga. Uns preferem outros não... mas oremos muito para os nossos missionários e sacerdotes,


    beijos

    Gisele

    ResponderEliminar
  10. Teresa,

    Senti muita falta de suas postagens. kkkkk Você me faz rir com um assunto sério. Rs
    Não costumo ler os outros comentários, não sei se é certo ou errado, mas realmente não tenho esse hábito. Apenas leio o post, reflito e comento.
    Mas dessa vez calhou de eu ler o comentário da Felipa. É engraçado, mas ao mesmo tempo complexo. Rs
    Como ela mesma comentou, ainda bem que só ficou entre ela e Deus. Rs
    Eu sou um pouco enjoadinha nesse assunto. Acho que deveriam usar, sim. Nem que fosse um mínimo detalhe para serem identificados. Não precisa ser aquelas vestes pretas que os Padres usavam antigamente, e alguns ainda usam.

    O Cristão é identificado pela cruz. Eu tenho um anel, que não sai do meu dedo, que foi presente de uma freira da Toca de Assis. Eu sou madrinha dela de consagração.
    Muitos me perguntam se sou religiosa..kkkkkk quando olham o meu dedo. Mas eu digo que gostaria de ter esse dom, mas não é o caso.
    Aqui, eu fui caminhar com um grupo do curso. No percurso, quando paramos pra lanchar, uma Coreana se aproximou de mim e me perguntou se eu era Católica. Respondi, sim. Mas nem me lembrava do tal anel. Foi quando ela falou que olhou pra minha mão e viu a cruz.

    Cada um tem uma opinião e devemos respeitar, mas eu acho que deve usar roupas que os identifique.

    Tenha um lindo Domingo.
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  12. Há muita gente que está a pensar Mal. O Relativismo "de tudo é certo e aceitável" é venenoso. Como podem ver pela vossa/nossa sociedade.

    O provérbio "O hábito não faz o monge" não é para não andarem com hábito, ou fazerem conforme está calor, frio, ou lhes der na gana!
    É para o frade, o sacerdote, a Irmã (...), se lembrar que "não é camisola que joga por ele" que tem responsabilidades.

    Se disserem "mas se não quiser ter responsabilidades",
    A Vocação não é uma Responsabilidade?
    Mau Maria...

    Cumprimentos, João

    ResponderEliminar